Deputados vão redirecionar emendas para ampliação e manutenção de UTIs infantis

unnamed (11)

Assunto foi discutido em reunião realizada nesta quinta-feira (23) pela Frente Parlamentar Estadual da Criança e do Adolescente

O redirecionamento das emendas parlamentares que estão no Orçamento Geral do Estado (OGE), deste ano, vai ser a maneira imediata de os deputados colaborarem para a solução do problema do déficit de Unidades de Terapia Intensiva Infantil (UTIs). Essa foi a decisão tomada em reunião realizada na tarde desta quinta-feira (23), na Assembleia Legislativa, coordenada pela presidente da Frente Parlamentar Estadual da Criança e do Adolescente, deputada Márcia Maia (PSDB).
“A situação é grave, tanto na rede pública como na rede privada e estamos perdendo crianças por causa da falta dessas unidades de tratamento. Precisamos resolver esse problema à curto prazo, pois as crianças não podem esperar”, asseverou Márcia Maia.
De imediato a deputada informou que vai redirecionar o valor de R$ 400 mil de suas emendas especificamente para ampliação e manutenção das UTIs. O deputado Fernando Mineiro (PT) também vai direcionar o mesmo valor e a deputada Cristiane Dantas (PCdoB) se comprometeu em contribuir com R$ 200 mil.
Na reunião ficou decidido que serão mantidos contatos com os setores de orçamento da Secretaria Estadual de Saúde e com a Secretaria de Planejamento, para a definição das rubricas para onde serão transferidos esses recursos das emendas.
“Vamos sensibilizar os outros colegas deputados para que eles definam quanto pretendem redirecionar de suas emendas para a construção e manutenção das unidades”, disse o deputado Fernando Mineiro.
O médico Madson Vidal, um dos coordenadores do movimento Criança Viva disse que a reunião, que já foi um resultado da audiência pública realizada na Assembleia Legislativa, no dia 20 quando foi apresentado o quadro do déficit das Unidades de Terapia.
“Precisamos ampliar e restaurar as unidades que existem de imediato. O déficit é de 300 unidades entre Neonatal e Pediátricas. O maior problema está nas pediátricas, pois não há espaço para as crianças enfermas que precisam dessas UTIs. Muitas vezes as crianças morrem por falta dessas unidades”, disse Madson.
Participaram da reunião os deputados Márcia Maia, Fernando Mineiro e Cristiane Dantas e os representantes do Ministério Público Estadual, Frente Parlamentar Municipal da Criança e do Adolescente, Defensoria Pública e Conselho Regional de Medicina.
Assessoria