Escola da Assembleia amplia parceria com Câmaras Municipais do RN

Foto: Eduardo Maia

Capacitar servidores dos legislativos do RN é uma das missões da Escola da Assembleia. Atualmente, mais de 70 câmaras municipais em todo o Estado possuem convênio com a instituição, que está ampliando a oferta de cursos e oficinas em Natal e no interior. Esta semana, os presidentes dos legislativos de Equador e Santana do Seridó firmaram interesse em entrar para essa lista de beneficiados. José Dirceu dos Santos e Juarez Bezerra de Azevedo foram recebidos pelo diretor da Escola, Carlos Russo.

“Estamos oferecendo um ensino de qualidade através dos nossos cursos, treinamentos e palestras da Escola da Assembleia e a meta é atender todas as Câmaras, para que seus servidores possam se qualificar e oferecer um serviço de excelência aos cidadãos”, afirma o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB).

A então servidora da Câmara Municipal de Natal, Larissa Nobre, é um desses exemplos de sucesso entre a Escola e os legislativos municipais. Ela cursou pós-graduação em gestão pública. “Foi uma ótima oportunidade para a iniciação científica e aprofundamento sobre o setor público. Vou levar esse conhecimento para o resto da vida”, comemorou a advogada.

Devido ao êxito que a Escola tem obtido com a oferta de cursos e oficinas técnicas em Natal e no interior, cada vez mais as Câmaras Municipais estão buscando a parceria. A Assembleia Legislativa ainda possui um convênio com a Federação das Câmaras Municipais (Fecam-RN) com o mesmo objetivo, o que possibilitou a capacitação de milhares de servidores em todo o Estado.

A cooperação possibilita o intercâmbio de professores, estudantes e técnicos administrativos dessas instituições visando a realização de atividades voltadas à pesquisa, ensino, extensão e gestão universitária como organização de eventos acadêmicos, científicos e culturais; cursos dos mais diferentes níveis e categorias; consultoria técnica; intercâmbio de informações e publicações acadêmicas, científicas e culturais; e facilitação do acesso à infraestrutura informacional e laboratorial das instituições.