Projeto de Ezequiel Ferreira coloca Outubro Rosa no calendário oficial do RN

Ezequiel Ferreira da Souza

Por iniciativa do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), o movimento “Outubro Rosa”, passa a integrar o calendário oficial do Rio Grande do Norte. Projeto Lei neste sentido foi aprovado pelo plenário da Casa, nesta quinta-feira (5), seguindo agora para sanção do governador do RN, Robinson Faria.

“O Outubro Rosa é uma iniciativa vitoriosa e agora o Rio Grande do Norte tem a institucionalização do movimento em seu calendário de eventos sinalizando que aqui se prega a sensibilização das mulheres para que realizem os exames necessários à prevenção do câncer de mama”, comemora Ezequiel Ferreira, autor do projeto.

O deputado é um apoiador da causa da prevenção do câncer e em seu primeiro ano de gestão como presidente da Assembleia, durante os meses de outubro e novembro de 2015 se uniu ao Grupo Reviver realizando mais de 4.000 mamografias, levando perto de 300 mulheres para acompanhamento na Liga Norte-rio-grandense contra o Câncer. “Essa ação é importante porque promove o diagnóstico precoce da doença, responsável pela cura em 95% dos casos”, disse Idaisa Fernandes, coordenadora e voluntária do Reviver.

No Rio Grande do Norte, o câncer de mama mata 200 mulheres por ano, principalmente por falta de diagnóstico precoce. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), é o segundo tipo mais frequente de no mundo o que mais leva mulher à morte no Brasil.

OUTRO PROJETO – Ainda tramita nas comissões da Assembleia Legislativa um segundo Projeto de Lei de autoria do deputado Ezequiel Ferreira que dispõe sobre a obrigatoriedade de afixação de cartaz em estabelecimentos de saúde dando visibilidade a lei e ao direito da mulher de ter a cirurgia reparadora de mama pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

“A cirurgia de retirada da mama, embora a mais radical é a forma mais rápida de cura, todavia, em diversos casos causa dano psicológico às mulheres. A presente proposição legislativa dispõe sobre a obrigatoriedade da afixação de cartazes nos estabelecimentos de saúde (hospitais, clínicas, consultórios e assemelhados) públicos e privados que atendam à mulher, informando às pacientes em tratamento de câncer, sobre o direito à cirurgia plástica de reconstrução da mama, a ser realizada pelo Sistema Único de Saúde – SUS”, justifica Ezequiel Ferreira, que acompanha tramitação do Projeto de Lei nas comissões da Casa Legislativa.