Quem é Hillary Clinton, a mulher que pode comandar o país mais poderoso do planeta

História da candidata Hillary Clinton é marcada pelo ativismo político desde sua juventude ETHAN MILLER
História da candidata Hillary Clinton é marcada pelo ativismo político desde sua juventude
ETHAN MILLER

Caso Hillary Clinton derrote Donald Trump nas eleições do próximo dia 8 de novembro, ela se tornará a primeira mulher a governar os Estados Unidos.

Seria o ponto mais alto de uma vida pública está engendrada no coração da política do país: ela já foi primeira-dama, senadora e secretária de Estado.

Mesmo sendo alguém que teve a vida tão escrutinizada, poucas pessoas sentem que conhecem a “verdadeira” Hillary Clinton — em pesquisas, muitos americanos dizem simplesmente não confiar nela.

A BBC Brasil publicou um perfil com a trajetória de Donald Trump e agora você também confere a história da democrata, passando pela jornada dela de Chicago à Casa Branca pela primeira vez e por agora, na sua segunda tentativa de chegar lá novamente — só que como presidente.

26 de outubro de 1947: Nascimento em Chicago

O Hospital Edgewater, no norte de Chicago, está fechado atualmente — um abandono que dói em moradores, segundo muitos deles. Mas em outubro de 1947, estava na ativa e a todo vapor.

Dorothy Rodham tinha 28 anos e estava casada com o marido, Hugh, desde 1942 quando entrou em trabalho de parto no dia 26 para ter a primeira filha do casal, Hillary.

Dorothy teve uma infância difícil depois que os pais a abandonaram e por isso estava determinada a não repetir os mesmos erros.

O pai de Hillary, Hugh, era um homem irascível e fortemente conservador e havia sido um instrutor físico para a Marinha americana durante a Segunda Guerra Mundial.

Ficou conhecido por incentivar o sucesso dos filhos e costumava dizer para Hillary: “tudo o que um homem pode fazer, você também pode fazer”.

15 de abril de 1962: Encontro com Martin Luther King

Em uma tarde de primavera em Chicago, uma das figuras mais controversas dos Estados Unidos fez um discurso vibrante na casa de concertos da cidade.

Martin Luther King havia acabado de falar sobre os direitos civis e o futuro do país e cumprimentou Hillary com um aperto de mãos – ela tinha 15 anos e morava no subúrbio de maioria branca e conservadora da cidade.

Hillary lembra até hoje que o discurso teve um grande impacto em sua vida.

Mas além de King, outro pastor também influenciou a então jovem Hillary: Dom Jones, que a encorajou a comparecer no evento com Luther King.

Ela sempre foi metodista e manteve uma longa amizade com Jones até a morte dele, em 2009.

“Ele me ensinou o significado da fé na prática”, disse no velório.

1964: “Garota Goldwater”

Apesar de hoje ser a candidata do partido Democrata, Hillary foi da Juventude Republicana durante a vida escolar e fez campanha para o republican Barry Goldwater.

Ele era senador no Arizona e conhecido como “Senhor Conservador”, autor do tratado A Consciência de um Conservador.

Atribui-se a ele a formação da agenda do ex-presidente e ícone republicano Ronald Reagan, que ajudou a definir grande parte da atual corrente de pensamento do partido.

Hillary era muito nova para votar, mas escreveu anos depois que se sentiu atraída pelo “individualismo áspero” da plataforma de Goldwater.

“Eu não nasci uma democrata”, disse.

1969: Universidade de Wellesley — a mudança de lados

As alianças políticas de Hillary mudaram na época da faculdade. Ela chegou a perguntar a Dom Jones se era possível “ser uma conservadora na mente e ter um coração liberal”.

Na formatura em 1969, sua posição politica já havia se solidificado. Em um discurso aos colegas em Wellesley, chegou a ofuscar o principal orador — o senador Edward Brooke — com uma fala sentimental que chamou atenção do país todo.

Quando ela entrou na escola de Direito na Universidade de Yale, uma das mais prestigiadas dos Estados Unidos, e conheceu um então jovem liberal do Estado de Arkansas chamado William Jefferson Clinton, Hillary já havia se distanciado da corrente política que marcou sua juventude.

Naquele momento, ela já era uma democrata.

1972: Campanha para McGovern

Em Yale, Hillary e Bill se tornaram rapidamente inseparáveis. Foi nesse período que eles alugaram a primeira casa juntos, em New Haven, Connecticut.

Ali foi início da longa jornada política que eles realizaram juntos. Na época, o candidato democrata à Presidência era George McGovern, um crítico ferrenho da ação militar americana no Vietnã que já estava no sétimo ano e já havia tirado milhares de vidas.

No meio dos estudos, Hillary e Bill resolveram apoiar McGovern e mesmo quando decidiram se mudar temporariamente para o Texas para assumir compromissos de campanha, nunca lhes pareceu como uma batalha que pudesse ser vencida.

1974 Watergate: a investigação de um presidente

Em janeiro, Hillary estava em Arkansas com Bill quando o telefone tocou. Era um velho conhecido oferecendo a eles um trabalho que poderia impulsionar a carreira dos dois.

Uma invasão no escritório do Comitê Nacional do Partido Democrata conseguiu informações e desvendou um esquema de corrupção que levava diretamente ao presidente. Dois anos depois da vitória arrebatadora nas urnas, Richard Nixon enfrentou a desgraça. John Doar foi nomeado para chefiar as investigações do impeachment e era ele do outro lado do telefone.

Bill havia sido nomeado para ser candidato a governador, e negou a proposta. Mas Hillary aceitou e com apenas 26 anos se uniu a um grupo de advogados para acumular provas que levaram ao segundo impeachment de um presidente dos Estados Unidos na história.

11 de outubro de 1975: Casamento no Arkansas

Depois da renúncia de Nixon, Hillary se dividiu um pouco sobre o que fazer em seguida. As perspectivas eram melhores em Washington, mas ela amava Bill. E Bill estava no Arkansas.

Ela decidiu então aceitar um emprego como professora de Direito da Universidade de Arkansas, onde ele também trabalhava depois de ter perdido a eleição para governador de 1974 por 6 mil votos.

Hillary já havia negado vários pedidos de casamento de Bill até aquele momento, mas quando ele perguntou novamente, ela finalmente disse “sim”.

Eles se casaram na sala de casa em outubro de 1975, e a cerimônia foi celebrada por Vic Nixon, um ministro metodista que trabalhou na campanha de Bill.

Hillary usou um vestido que comprou com a mãe na noite anterior ao casamento. A filha deles, Chelsea, nasceu cinco anos depois, em 1980.