Turma da pós-graduação da Escola da AL intensifica ritmo na reta final

Crédito da Foto: Assessoria de Comunicação

Conciliar a rotina de trabalho com a de aluno e os outros afazeres da vida pessoal ganhou um componente extra para os concluintes do curso de especialização lato sensu da Assembleia Legislativa: a elaboração do trabalho de conclusão de curso (TCC), cujo prazo final para entrega será no dia 31 de agosto, três meses após o encerramento das disciplinas.

Pesquisa, produção textual, encontros regulares com o professor orientador, estudos até altas horas, ajustes necessários, correção de rotas. Soma-se a isso, lazer, família e amigos sacrificados, compondo o corrido dia-a-dia daqueles que estão se dedicando para realizar um trabalho de excelência e cumprir com todos os prazos estabelecidos pela Escola.

O prazo está correndo, mas a sensação do dever cumprido e as expectativas já são as melhores possíveis: “Final de curso é sempre complicado porque tem a correria do TCC e a vida da gente que já é muito corrida”, afirma a advogada Larissa Nobre, servidora da Câmara Municipal de Natal, que está se especializando em Gestão Legislativa.

Para ela, a Escola da Assembleia correspondeu às expectativas: “Foi muito bem prestado o serviço e acredito que também foi bem feito da minha parte, me agregou valores e fiquei com a certeza de ser uma especialista em gestão pública. Tudo que agrega deve ser levado em consideração e embora os dias estejam corridos, acredito que consigo entregar o meu trabalho dentro do prazo”, afirma a advogada.

Estatísticas

A Escola da Assembleia encerra o primeiro semestre com 333 atividades acadêmicas realizadas. Desde o início das suas atividades, em 2009, até o momento, mais de 16 mil alunos já passaram pelos cursos, palestras e oficinas. As seis turmas do primeiro semestre incluem uma de graduação e uma de mestrado. As turmas da pós contam com 20 alunos cada e no mestrado, o primeiro no País oferecido por uma Casa Legislativa, são 6 alunos.

Servidora do Tribunal de Contas do RN (TCE), a jornalista Andreia Morais também está se desdobrando para conciliar o final do curso, com a vida profissional e de esposa e mãe. “Temos que conciliar muitos afazeres, mas acho que vai dar para fazer um trabalho legal, condizente com a minha expectativa”, afirma a jornalista. Andreia destaca a atuação do professor orientador: “Meu orientador é muito bom, está acompanhando a gente etapa a etapa, uma pessoa muito atenciosa”, afirma. Sua pesquisa está relacionada às percepções sobre o Planejamento Estratégico realizado no tribunal.

Servidora do Legislativo do RN, onde atua no atendimento do Setor Médico da Casa, a economista Maria de Fátima Rodrigues de Souza afirma que a etapa final vem sendo bastante cansativa a fim de conciliar todos os seus afazeres. Integrante de um grupo vocal da igreja do bairro, Fátima tem se ausentado deste compromisso e dos momentos de lazer ao lado da família, mas ficou bastante satisfeita com o curso. Sua pesquisa é focada na qualidade do atendimento do setor em que trabalha. “Esse final de curso está sendo bem intenso. Penso em fazer outra especialização, mas antes tirarei umas boas férias”, afirmou a economista